Poema [Fernando Pessoa]

Ó sino da minha aldeia, Dolente na tarde calma, Cada tua badalada Soa dentro da minha alma. E é tão lento o teu soar, Tão como triste da vida, Que já a primeira pancada Tem o som de repetida. Por mais que me tanjas perto, Quando passo, sempre errante, És para mim como um sonho,…

5 Sonetos de Amor de Luís de Camões

Quem diz que Amor é falso ou enganoso,Ligeiro, ingrato, vão, desconhecido,Sem falta lhe terá bem merecidoQue lhe seja cruel ou rigoroso. Amor é brando, é doce e é piedoso;Quem o contrário diz não seja crido:Seja por cego e apaixonado tido,E aos homens e inda aos deuses odioso. Se males faz Amor, em mi se vêem;Em…

A dor que minha alma sente [Luís de Camões]

A dor que minha alma sente não na sabe toda a gente! Que estranho caso de amor, que desejado tormento: que venho a ser avarento das dores da minha dor! Por me não tratar pior, se se sabe, ou se se sente não na digo a toda a gente. Minha dor e a causa dela…

Tanto de meu estado me acho incerto [Luís de Camões]

Tanto de meu estado me acho incerto, Que em vivo ardor tremendo estou de frio; Sem causa, juntamente choro e rio, O mundo todo abarco, e nada aperto É tudo quanto sinto um desconcerto: Da alma um fogo me sai, da vista um rio; Agora espero, agora desconfio; Agora desvario, agora acerto. Estando em terra,…

Quem diz que Amor é falso ou enganoso

Quem diz que Amor é falso ou enganoso,Ligeiro, ingrato, vão, desconhecido,Sem falta lhe terá bem merecidoQue lhe seja cruel ou rigoroso. Amor é brando, é doce e é piedoso;Quem o contrário diz não seja crido:Seja por cego e apaixonado tido,E aos homens e inda aos deuses odioso. Se males faz Amor, em mi se vêem;Em…

Verdade, Amor, Merecimento [Luís de Camões]

Luís Vaz de camões Verdade, Amor, Merecimento,Qualquer alma farão segura e forte,Porém Fortuna, Caso, Tempo e Sorte,Têm do confuso mundo o regimento. Efeitos mil resolve o pensamento,E não sabe a que causa se reporte,Mas sabe que o que é mais que vida e morte,Que não o alcança o humano entendimento. Doutos varões darão razões subidas,Mas…

Um soneto de inverno [Christina Rossetti]

A Wintry Sonnet [Christina Rossetti] A Robin said: The Spring will never come, And I shall never care to build again. A Rosebush said: These frosts are wearisome, My sap will never stir for sun or rain. The half Moon said: These nights are fogged and slow, I neither care to wax nor care to…

Página Íntima [Luís Guimarães Jr.]

A minha Mulher  Ils trébuchent, encore ivres du paradis. (Tropeçam, ainda ébrios do paraíso.) –V. HUGO, L’ART D’ÊTRE GRAND-PÈRE. Quando eles vêm saltitantes Como – entre os floridos ramos – Os colibris doudejantes E os travessos gaturamos, Dizer-me as cousas mimosas Que Deus ensina às crianças, Cousas tecidas de rosas E bordadas de esperanças, Frases,…

À CAROLINA [Machado de Assis]

Á Carolina [Machado de Assis] Querida, ao pé do leito derradeiro Em que descansas dessa longa vida, Aqui venho e virei, pobre querida, Trazer-te o coração do companheiro. Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro Que, a despeito de toda a humana lida, Fez a nossa existência apetecida E num recanto pôs um mundo inteiro. Trago-te flores, –…

SUPPLICA (1868), de Luis Guimarães Jr

Queres saber onde minh’alma anciosa Depura a taça dos festins da vida? Onde ella sonha e se extasia e gosa, Núa de louros, – de ambições despidas? É  nos teus lábios, minha mãe querida! Queres saber em que lugar medita Minh’alma á casta Inspiração unida? Onde meu ser illuminado habita Bem como a lua em…